Cortando o mal pela raiz

shutterstock_121262254Lara tem um problema com balanças – ela sofre de obesidade. Ela conserva maus hábitos alimentares desde a infância e possui uma rotina bastante sedentária. A fim de resolver seu problema, Lara já iniciou diversas dietas, mas nunca conseguiu estabelecer bons hábitos. Por fim, depois de tantas tentativas frustradas, Lara tomou uma decisão – nunca mais subir em uma balança. 

Lara é uma personagem fictícia, e o caso de Lara foi brevemente narrado aqui para convidar você a uma reflexão.

Quando falamos em combate à violência, precisamos de ações que sejam realmente eficazes, que solucionem o problema e não apenas reduzam o nosso contato com ele. Aumentar o policiamento das cidades é importante, disponibilizar centrais de atendimento para que sejam feitas denúncias também é importante, mas atuar nas bases, nas causas, é essencial.

Este ano, a campanha Quebrando o Silêncio tem como tema principal o consumo de álcool e outras drogas como uma porta de entrada para a violência. 

Álcool – por que precisamos falar sobre ele?

O álcool é uma droga amplamente consumida em nossa sociedade. Os comerciais de bebidas alcoólicas normalmente associam o consumo da bebida com momentos de alegria. Mas nem só de alegria é feita a vida de quem bebe e dos que vivem ao seu redor. A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que cerca de 320 mil jovens morrem anualmente em todo o mundo por conta do álcool. A OMS identificou, também, que há cerca de 60 tipos de doenças relacionadas à ingestão de bebidas alcoólicas. De acordo com o II Lenad (II Levantamento Nacional de Álcool e Drogas), o álcool é a droga que mais gera violência familiar e urbana, e que contribui com cerca de 10% para a toda a carga de doença no Brasil.

Por isso, ao falar sobre combate à violência precisamos falar, também, sobre o consumo de álcool. Precisamos cortar o mal pela raiz. Precisamos fechar cada uma das portas de entrada da violência.


Fontes:

II Levantamento Nacional de Álcool e Drogas (LENAD) – 2012. Ronaldo Laranjeira (Supervisão) [et al.], São Paulo: Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia para Políticas Públicas de Álcool e Outras Drogas (INPAD), UNIFESP. 2014

Notícias – R7: Álcool provoca quase 10% das mortes de jovens no mundo